terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

IPads substituem, os maps de voo nos aviões

A Administração Federal de Aviação (FAA) dos Estados Unidos permitiu que mapas em papel sejam substituídos por iPads nas cabines de pilotagem dos aviões.

Após três meses de experiências minuciosas com o iPad, a FAA permitiu à companhia «Executive Jet Management» o uso de iPads em substituição dos mapas de papel. Embora a «Executive Jet Management» seja a primeira empresa a ter o visto de uso de iPads, toda a frota de aviação poderá pedir a autorização a partir de Maio., refere o «Wired».

Para a aprovação do iPad como ferramenta de aviação, foram realizados testes rigorosos de descompressão rápida a partir de uma altitude de 51 mil metros de forma a assegurar que o «tablet» não interfere com os equipamentos electrónicos de navegação das cabines de pilotagem. Os testes foram ainda realizados em 10 aviões conduzidos por 55 pilotos em 250 voos.

Jeff Buhl, gerente da Jeppesen, empresa mentora da aplicação Mobile TC confirmou que o sistema operacional da Apple mostrou-se «extremamente estável», durante os testes. No entanto, Jeff Buhl refere que numa eventual baixa de sistema são necessários apenas «quatro a seis segundos» para que recupere, diz o «Wired», mas que cada companhia deve não deve descurar de um procedimento auxiliar para lidar com falhas de software.

A FAA frisou que com a utilização do iPad, «serão substituídos cerca de 25 quilos de manuais e gráficos que o iPad pode suportar». Os iPads foram submetidos a avaliações pormenorizadas durante três meses.

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Pesquisa revela que metade dos pilotos dorme, no comando dos aviões

Depois da divulgação das novas regras da Aviação Civil Europeia, entre elas a de que os pilotos podem voar por até 22 horas sem dormir antes de aterrar, líderes de associações e sindicatos de pilotos realizaram uma pesquisa que revelou que 43% desses profissionais admitiram ter dormido no cockpit durante os voos, e que esse número é provavelmente ainda maior.

As novas regras servirão para acomodar melhor as horas de voo, mas tanto tempo sem descansar pode resultar num grande risco para a segurança pública. 

A pesquisa revelou que a nova proposta de horas de voo deixará os pilotos extremamente fatigados, como se estivessem embriagados depois de beber cinco latas de cerveja, ultrapassando em quatro vezes o limite legal de consumo de álcool para pilotar.

O estudo realizado pela Balpa — Associação Britânica de Pilotos — também concluiu que, se aprovadas, as novas regras vão aumentar a carga de trabalho em 17%, elevando a probabilidade de que algum acidente aconteça depois de 13 horas de trabalho em 5,5 vezes.

Fonte: Tecmundo

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Aeroporto na praia...



Air Flamingo, Sexo nas Nuvens

Uma empresa aérea da cidade de Cincinnati, nos Estados Unidos, oferece aos seus passageiros a possibilidade de fazer "sexo nas alturas".
 
Por cerca de € 320 á hora qualquer casal tem direito a cama, champanhe, chocolate e também à discrição do resto da tripulação, durante o voo de uma hora.

A Flamingo Air, promete no seu site uma experiência inolvidável, para qualquer casal que goste de experimentar sensações fortes, ao voar num dos seus aviões.

A ideia surgiu de uma aposta entre os pilotos da companhia aérea. Estes apostaram, que ninguém conseguiria convencer os casais, a praticar as suas fantasias sexuais durante um voo.

Em 1991,a Air Flamingo  passou a oferecer o serviço "especial". Desde então, segundo a companhia, milhares de passageiros já passaram pela experiência.

A aposta acabou por se transformar numa oportunidade de negócios. Por 450 US dólares, cerca de 320 Euros, os casais têm direito a cama, champanhe, chocolate e também a garantia de que a tripulação, será discreta e não interferirá no romance dos seus passageiros, já que a única coisa que separa a suite, da cabine do piloto é uma cortina.

O capitão David McDonald, que pilota muitos dos voos, garante indiferença total, ao que possa acontecer na cabine dos passageiros, no entanto, revelou ao site da rede de TV de Cincinnati WCPO que já foi atingido por um salto alto e por uma rolha de champanhe.

A empresa afirma que 90% das reservas da companhia são feitas por mulheres, que buscam uma experiência romântica diferente.

O voo dura uma hora e os clientes podem escolher entre alguns itinerários. A época de maior demanda pelo serviços, é o Dia dos Namorados.

Fonte: BBC Brasil via iG / Aviation News

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Saiba como são as primeiras classes pelo mundo

Evitar filas e esperas, ter acesso às salas VIP e ser tratado como alguém especial. Estas são algumas das vantagens de quem viaja na primeira classe. Mas a mordomia não acaba por aí. As linhas aéreas buscam cada vez mais apaparicar um tipo de viajante exigente, que está disposto a pagar pelo melhor. 
 
Laiam aqui como são as melhores e mais confortáveis cabines de primeira classe.

Singapore Suite, da Singapore Airlines
A Singapore Airlines foi a primeira linha aérea a contar com os imensos aviões Airbus A380, com capacidade para até 850 passageiros. Estas aeronaves contam com suítes de luxo como a Singapore Suite, com poltrona e camas separadas, armário, refeições gastronómicas e champanhe à vontade. As suítes, individuais e privativas, podem ser unidas para receber casais.

US Airways Envoy Suite Next Generation Business Class
A linha aérea americana US Airways traz nos seus voos internacionais uma nova geração de suítes de luxo, criada na sua classe de negócios. As poltronas tornam-se camas nas quais se pode deitar e descansar até ao seu destino. As suítes Envoy estão disponíveis nos aviões A330 da US Airways.

Suíte de Diamante Etihad Airways
De Abu Dhabi, a Etihad Airways é a linha aérea nacional dos Emirados Árabes Unidos. Voar na Suíte de Diamante da primeira classe da Etihad é uma experiência única que renova o conceito de viagens de luxo. Os passageiros têm uma suíte espaçosa, com uma poltrona, que dá massagens, e que se transforma numa cama, mini-bar, internet e uma TV pessoal de 23 polegadas. Tudo isto pode ser aproveitado com um serviço de comidas à la carte durante toda a viagem.

Cabine particular da Jet Airways Londres-Mumbai
A frota de aviões Boeing 777-300 ER da linha aérea indiana Jet Airways, que efectua os voos entre Mumbai e Londres, foi inteiramente configurada de maneira luxuosa. Mas as cabines particulares são o grande destaque destes voos. Separadas por portas deslizantes que garantem privacidade aos passageiros, têm duas poltronas que viram uma cama espaçosa, com TV de 23 polegadas e refeições gastronómicas servidas em pratos de porcelana.

Primeira classe da Lufthansa
Além de oferecer um luxuoso terminal VIP no aeroporto de Frankfurt para os passageiros de primeira classe, a empresa oferece acomodações de luxo em seus Boeings 747-400. Durante a viagem, os passageiros dispõem de poltronas que não apenas são confortáveis: elas também são acompanhadas por uma cama situada ao lado. Cortinas e isolamento contra o barulho dão ainda mais tranquilidade para chegar descansado ao seu destino.

Primeira Classe da JAL
A empresa japonesa Japanese Airlines, mais conhecida como JAL, oferece aos seus passageiros cabines com o melhor do luxo para voos internacionais. As poltronas, projectadas de maneira ergonómica para um conforto maior, são feitas de couro de excelente qualidade e reclinam até se transformar numa cama, com travesseiros que ajudam a garantir uma boa noite de sono após assistir a um dos numerosos filmes disponíveis na TV.

Primeira classe da Emirates Airlines A380
A linha aérea Emirates Airlines, com sede em Dubai, foi a primeira a oferecer aos passageiros da primeira classe de seus voos em Airbus A380. Nela há chuveiros para que eles possam chegar de banho dado e trocados para as suas reuniões de negócios. São dois chuveiros com kits de produtos de spa. Os passageiros contam com cabines fechadas, com poltronas que viram camas com colchão e serviço de bordo disponível durante todo o voo, com bebidas variadas e pratos gourmet.

First da British Airways
Principal linha aérea do Reino Unido, a British Airways tem a reputação de oferecer um excelente serviço aos seus passageiros. A primeira classe da British, conhecida como a First, tem um design inovador, numa cabine com uma cama cerca de 60% maior do que na antiga primeira classe. O novo sistema de iluminação dá uma luz natural e a poltrona, frente a uma TV de tela plana com numerosos canais, programas e filmes.

La Première da Air France
Chamada de La Première, a primeira classe da Air France e uma garantia de ter uma viagem tranquila e agradável. As poltronas eclinam-se ate virar camas e os passageiros podem disfrutar refeições de deliciosa gastronomia francesa em mesas espaçosas, assistindo a um dos muitos filmes que passam nas telas planas individuais e bebendo vinhos de grande qualidade. Além de, claro, muito champanhe.

Fonte: Terra

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

A Lufthansa desiste de voar com biocombustível

Depois de mais de mil voos com biocombustível, a companhia aérea alemã Lufthansa volta a abastecer as suas aeronaves com querosene comum. O problema: não existe bioquerosene suficiente para atender a demanda.

O voo do Boeing 747 de Frankfurt para Washington na sexta-feira (13/01) foi o último de uma série de voos experimentais da Lufthansa com bioquerosene. Desde Julho de 2011, as aeronaves da maior companhia aérea alemã voaram exactamente 1187 vezes com biocombustível entre Frankfurt e Hamburgo.

Com isto, a Lufthansa evitou a emissão de 1,5 mil toneladas de dióxido de carbono (CO2), segundo dados da própria companhia. Só no voo para Washington serão economizadas 38 toneladas de gases causadores do efeito estufa em comparação com o querosene fóssil.

A busca da Lufthansa e de outras companhias aéreas por alternativas não tem apenas razões económicas. Desde o início de 2012, a União Europeia obriga todas as companhias aéreas a comprovarem direitos de emissão de CO2 através de créditos de carbono para voos com origem ou destino na Europa. Por outras palavras: quanto mais CO2 o voo emitir, mais caro ficará para a companhia.

O teste foi considerado bem-sucedido pela Lufthansa. "O biocombustível mostrou-se adequado para o uso diário", disse Joachim Buse, responsável da empresa pelo projecto. Mesmo assim, a Lufthansa vai voltar a abastecer suas aeronaves com querosene fóssil, simplesmente porque não existe bioquerosene suficiente no mercado.

Para produzir biocombustível, precisa-se de biomassa, que no caso da Lufthansa são óleos vegetais, e também de gordura animal. No entanto, faltam refinarias para produzir bioquerosene, diz Arne Roth, da empresa Bauhaus Luftfahrt, referência na indústria da aviação com sede em Munique. "Elas são diferentes das unidades para produzir biodiesel", explica Roth.

Somente quando houver refinarias suficientes em operação, "em um futuro próximo", o bioquerosene poderá ser introduzido na aviação "em determinada quantidade". Quanto exactamente, vai depender também do preço. "É preciso naturalmente cobrir os custos", diz o pesquisador.
 
Organizações ambientalistas, no entanto, criticam a utilização de bioquerosene na aviação. "As terras cultiváveis em todo o mundo são escassas", diz Gesche Jürgens, do Greenpeace. Segundo ele, o mundo precisa escolher se vai cultivar alimentos ou combustíveis. "Se nos decidirmos pelos alimentos, precisaremos de novas terras para os combustíveis. E para isso normalmente florestas são derrubadas ou terras são cultivadas às custas da natureza", diz Jürgens.
 
Para evitar os danos ao meio ambiente, a Lufthansa pretende utilizar apenas biocombustíveis cuja sustentabilidade seja garantida. "Nós só começaremos a utilizar bioquerosene se pudermos assegurar o abastecimento de matérias primas certificadas na quantidade exigida", assegura Joachim Buse. 

Contudo, nem todos os certificados são confiáveis, diz o especialista do Greenpeace. "É preciso observar com cuidado e perguntar: esses sistemas de certificação têm realmente serventia ou são apenas uma farsa? E este geralmente é o caso das certificações actuais, infelizmente."
 
Ainda mais fundamentada é a critica de Jürgen Schmid, director do Instituto Fraunhofer para Engenharia de Energia, em Kassel. Ele considera "ilusão" o argumento de que os biocombustíveis poupam o meio ambiente.

A biomassa pode servir para o aquecimento de edifícios, mas não como combustível para veículos e aeronaves, diz. "Quando se fabricam combustíveis a partir de biomassa, no fim do processo tem-se apenas 50% da energia contida na biomassa original. O resto perde-se no dispendioso processo de refinamento 

A Lufthansa enfatiza que o bioquerosene poupa cerca de 50% de CO2 em comparação aos combustíveis fósseis. No entanto, são necessárias quantidades imensas de biomassa para encher um tanque de avião com querosene.

Considerando a escassez mundial de terras cultiváveis, observa Schmid, os biocombustíveis prejudicam mais, do que ajudam o meio ambiente. "Uma pessoa colabora mais com a natureza ao consumir combustíveis tradicionais." Muito mais promissores, segundo ele, seriam novos processos para converter a energia eólica em gás combustível.

Seja como fôr, a Lufthansa parece não querer apressar as coisas. Os próximos dois anos serão dedicados apenas à avaliação dos resultados obtidos com o bioquerosene nos últimos meses (DW, 13/1/12)

Fonte: Brasilagro
 
 

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

SATA quer voar para o Brasil

A companhia açoreana pediu ao INAC licenças para operar voos regulares entre Lisboa e as cidades de Salvador e Recife, que já têm hoje ligações directas da TAP.

A SATA, companhia aérea açoreana totalmente detida pelo Governo regional, requereu duas licenças de transporte aéreo para poder voar regularmente para o Brasil, efectuando voos entre Lisboa e as cidades de Salvador e do Recife.

Segundo dois avisos hoje publicados pelo Instituto Nacional de Aviação Civil(INAC) no “Diário da República” e com data de 26 de Janeiro, qualquer entidade que pretenda pronunciar-se sobre os pedidos da SATA tem agora 15 dias para o fazer junto do INAC.

Além de Lisboa, Porto e Funchal, a SATA já voa regularmente para vários destinos fora dos Açores, como Frankfurt, Londres, Manchester, Boston e Toronto. Contudo, o Brasil não consta ainda da oferta da companhia açoreana.

A única companhia portuguesa com voos regulares para o Brasil actualmente é a TAP, que já tem 74 frequências semanais directas, para dez destinos no mercado brasileiro, onde se incluem precisamente Salvador e Recife, entre outras cidades do Nordeste do Brasil.

Fonte: Negócios/Miguel  Prado

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

China e USA, não pagam a taxa de carbono .

As tensões crescentes no seio do sector da aviação a nível mundial a propósito da taxa de carbono podem provocar uma guerra comercial, disse hoje o presidente da Airbus, Tom Enders. 

«Devo dizer que estou verdadeiramente preocupado com as consequências, enquanto construtor», declarou o presidente do grupo europeu durante uma conferência de imprensa, antes da abertura do salão aeronáutico de Singapura. 

«Eu vi a posição da China, da Rússia, dos Estados Unidos e da Índia, e o que começou como solução para (as questões do) ambiente tornou-se uma fonte potencial de guerra comercial», afirmou. 

A legislação europeia, que entrou em vigor a 01 de Janeiro de 2012, obriga as companhias que operam na União Europeia, independentemente da bandeira, a comprarem o equivalente a 15 por cento das suas emissões de CO2, ou 32 milhões de toneladas, para lutar contra o aquecimento global. 

Se as empresas não cumprirem a lei europeia terão de pagar multas de 100 euros por tonelada de CO2 e podem ser proibidas de voar na União Europeia.

A China e os Estados Unidos recusam-se a cumprir a legislação e querem impedir as suas companhias aéreas de participarem no mecanismo europeu de compra de 'licenças de poluição'.

A Associação Internacional do Transporte Aéreo (IATA), que representa as companhias aéreas, contesta vigorosamente a medida, estimando que esta poderá desencadear medidas de retaliação.

Lusa/SOL

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Boeing encontra falha de fabricação no novo 787 Dreamliner

A empresa americana Boeing registou um novo problema de fabricação do novo avião 787 Dreamliner, o que a obriga a verificar a fuselagem das aeronaves já entregues, informa o jornal Seattle Times. 

A Boeing descobriu um erro de fabricação, que afecta a estrutura dos materiais compostos que asseguram a rigidez da parte frontal da aeronave, afirma o jornal. 

Segundo o site especializado Flightglobal, lâminas de materiais compostos que garantem a rigidez da fuselagem desprenderam-se parcialmente depois dos voos de teste. O problema teria sido detectado numa aeronave destinada à companhia japonesa ANA e em duas outras destinadas á Qatar Airways. 

O Seattle Times afirma que a Boeing decidiu examinar todos os aviões já fabricados. De acordo com a publicação, a empresa admitiu o problema, mas afirmou que já possui um plano de reparos e que não há nenhuma preocupação com a segurança em curto prazo. 

O voo inaugural do 787 Dreamliner aconteceu três anos depois do planeado, devido a atrasos na produção e ao facto de que os custos de desenvolvimento do projecto acabaram por custar bilhões de dólares a mais que o planeado. 

A Boeing já fabricou cerca de 50 aeronaves deste modelo, e cinco delas fora entregues à companhia japonesa ANA. 

O avião é mais eficiente em termos de consumo de combustível porque é construído com materiais leves em vez de metal. Segundo especialistas, a aeronave representa um marco em termos de design de aviação. 

O avião de longo alcance custa cerca de US$ 200 milhões.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Airbus admite erros de produção e design no superjumbo A380

A Airbus responsabilizou uma combinação de falhas de produção e design pelas rachaduras que surgiram nas asas de seu superjumbo A380, mas a empresa informou que encontrou uma solução simples para o problema, reduzindo as preocupações entre os analistas de mercado.

Em comentários francos não muito comuns, um alto executivo da Airbus afirmou que a empresa estabeleceu uma forma de reparar as rachaduras encontradas num pequeno número de componentes dentro das asas do A380, que fizeram as autoridades europeias ordenar na semana passada, inspecções de segurança nas aeronaves do modelo.

A Airbus e uma das principais operadoras do A380, a Singapore Airlines, também confirmaram a informação da Reuters sobre a descoberta de mais exemplos de rachaduras durante as inspeções compulsórias. "O A380 é seguro", disse Tom Williams, vice-presidente executivo de programas da Airbus. O executivo viajou para Dublin para um discurso não agendando durante uma conferência do sector para diminuir as preocupações sobre a segurança do avião.

  Tom Williams, afirmou que os engenheiros excluíram a hipótese de fadiga de material no avião, que entrou ao serviço em 2007. Os comentários com uma série de detalhes marcaram uma mudança de tom depois do episódio em que um motor instalado num A380 da companhia aérea australiana Qantas explodiu e o fabricante Rolls Royce foi criticada pela indústria e autoridades mundiais do sector aeronáutico, por não dar informações suficientes.

"Isso é uma mudança importante na obtenção de informações que no passado não eram dadas. Não se pode desconsiderar esses assuntos, mas não é um problema sério e eles têm a solução à mão", disse Howard Wheelton, especialista em aviação da corretora BGC Partners.

Desenvolvido a um custo estimado de 12 bilhões de euros na Inglaterra, França, Alemanha e Espanha, o A380 tem envergadura de 79,8 metros, suficiente para 70 carros. 
A Airbus vendeu 253 unidades do modelo a um custo de tabela de US$ 390 milhões cada. 
Actualmente estão 68 unidades a voar.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Ser Comandante...

Algumas vezes amigos e pessoas me perguntaram: "O que é ser comandante?" Bem, a resposta mais simples pra isso seria dizer que o comandante é aquele piloto que ocupa o assento esquerdo da aeronave e tem a responsabilidade sobre ela e a tripulação. Teoricamente é o piloto mais experiente a bordo. Fácil de responder, embora na minha opinião pessoal o conceito deveria ser abordado muito mais profundamente e de forma reflexiva.

Ser comandante exige a proficiência técnica, a experiência e o conhecimento da aeronave e isso, quase todos os pilotos têm a capacidade de conquistar. Ser Comandante, com "C" maiúsculo requer outros atributos que não estão nos manuais e normas dos órgãos reguladores. Na verdade são atributos que devem ser inerentes ao carácter e nisso, infelizmente, nem todos que são pilotos estão capacitados. A maturidade, a serenidade, o equilíbrio, a temperança e a capacidade de ponderação e análise com imparcialidade... São atributos que fazem parte de um universo que vai bem além da rotina do cockpit. Devem ser incorporados à vida quotidiana do piloto, para que o indivíduo possa realmente ser chamado de Comandante.

Somente tais virtudes são verdadeiramente capazes de impedir a vaidade excessiva e o exibicionismo, que não raro tosam o senso de justiça e de avaliação. O profissionalismo de um piloto não se mede pelo tamanho do avião que ele voa.

O profissional pode ser piloto em comando de Boeing, Airbus, Fokker ou simplesmente de um Corisco. O que vai fazer dele um comandante ou um Comandante é a grandeza dos seus atos. O piloto de um Boeing pode perfeitamente ser um mero "empurrador de manetes" diante de um piloto de monomotor. A diferença entre ambos será definida pela postura de cada um.

Hoje, se um piloto novato me perguntasse qual é o melhor caminho para ser um Comandante (com "C" maiúsculo), eu com certeza lhe responderia com uma fórmula:

1) Comece a ser um Comandante dentro de sua casa, com seus pais, irmãos, esposa e filhos, tendo senso de justiça, paciência e atenção. Se conseguir isso dentro de casa, vai ser fácil levar para dentro do avião e sua tripulação;

2) Pratique ser um Comandante no seu meio profissional, não fazendo comentários sobre a performance operacional ou a vida pessoal dos colegas, a não ser que suas observações sejam directamente para os próprios, e pelo bem-estar e segurança deles; Lembre-se que ninguém está livre de cometer erros.

3) Seja polido, educado e acessível às pessoas. Não se deixe jamais contaminar pela arrogância. Estar no comando não qualifica ninguém a semideus;

4) Lembre-se de que você nasceu com dois olhos para ver, dois ouvidos para ouvir e uma só boca pra falar. Esse recado da natureza é para que ouça muito, veja muito e fale pouco;

5) Tenha senso crítico, mas evite ser crítico. Críticas pejorativas não acrescentam em nada. Seja primeiro juiz de seus próprios actos antes de julgar os outros.

6) Evite as conversas improdutivas, que não levam a lugar nenhum;

7) Se não puder levantar, não derrube. Seja confiável para quem está ao seu redor;

8) Dê oportunidades na medida que as tem. Ser Comandante não significa minar o caminho de quem vem atrás e nem empurrar quem está na frente. O equilíbrio é tudo.

9) Saiba reconhecer as boas atitudes de seus colegas. Avive as qualidades deles. Incentive-os a seguir em frente. É certo que um dia esses mesmos colegas ainda poderão lhe dar a mão, mas faça isso sem esperar retribuições. Ninguém tem um QI privilegiadíssimo a ponto de ser superior aos outros e único capaz de exercer determinadas tarefas. Se você pode, os outros também podem. Se alguém pôde, você também poderá.

10) Exercite a memória: não se esqueça de ajudar aos outros e muito menos se esqueça de quem te ajudou.

Tenha a alma simples!

Enviado pelo Cmte. Tetto (ACP), 
Boteco de Aeroporto