quinta-feira, 31 de março de 2011

Monomotor comandado por touch-screen será entregue em 2012

A Cessna Aircraft Company, exibiu nesta terça-feira o Corvalis TTX, o mais novo modelo desse monomotor de alta performance e que deve começar a ser entregue em 2012.

O modelo - apresentado na Florida, durante a Feira Internacional de Aviação Sun 'n Fun - é o único no mundo comandado por écran, touch-screen e o primeiro avião sem qualquer instrumento analógico.

O Corvalis TTX será operado através de dois écrans de LED "wide-screen" de 14 polegadas controladas por toque e sensíveis a uma gama de infra-vermelhos maior do que aos écrans tradicionais para se obter uma resposta melhor. As telas podem ainda dividir-se em duas, exibindo, ao mesmo tempo, mapas e cartas de aproximação.

O modelo mantém o título da mais rápida aeronave monomotor a pistons e com trem de aterragem fixo do mundo, capaz de atingir
a velocidade máxima de cruzeiro de 235 nós (435 km/h).

Na versão com quatro assentos, o Corvalis TTX pode cobrir uma distância de 2,3 mil km.


quarta-feira, 23 de março de 2011

O Bombardier 415, a "máquina", que apaga fogos

O Bombardier 415 (antigo Canadair CL-415 ) é um avião anfíbio canadiano, construído propositadamente para ser um "bombardeiro" de água . É um avião projectado e construído especificamente para combate aéreo a incêndios, e baseia-se no Canadair CL-215.

Em 1987, utilizando, os poderosos e confiáveis motores turbo hélice, a Canadair empreendeu a tarefa de adaptação de uma série de CL-215 com motores PW123AF, da Pratt e Whitney Canadiana, proporcionando um aumento de potência de 15% aos originais motores de pistons .

A aeronave adaptada foi designada CL-215T e contou com muitas melhorias aerodinâmicas, incluindo sistemas de controles de vôo motorizado, cabine com ar condicionado, bem como sistema eléctrico actualizado e aviónicos. Designa-se por aviónica toda a electrónica a bordo dos aviões. O termo provém de AVIation electrONICS (electrónica da aviação). Neste grupo de equipamento incluem-se os sistemas de navegação e comunicação, Piloto automático, e os sistemas de controlo de vôo. Também são incluídos, por vezes, alguns sistemas electrónicos a bordo não directamente relacionados com a pilotagem, como sistemas de vídeo para passageiros. È como se fosse o cérebro das aeronaves

As características mais notáveis ​​externas da CL-215T foram as adições aerodinâmicas às asas e a empenagem.

Baseado no sucesso do CL-215, a empresa introduziu o CL-415, com grandes aperfeiçoamentos da série de produção a partir de 1993. O 415 tem um cockpit actualizado, melhorias aerodinâmicas e mudanças para a versão do sistema da água, bem como, a criação de um sistema moderno de combate a incêndios.

O "415" voou pela primeira vez em 6 de Dezembro 1993 com as primeiras entregas em Novembro de 1994. Derivado do antecessor, foi baptizado com o nome, de "Super Scooper" à luz do seu desempenho melhorado muito como bombardeiro de água aumentando a sua eficácia nos combate aos incêndios.

Como reconhecimento de suas habilidades em tarefas perigosas, mas necessárias de combate a incêndios, a aeronave recebeu o prestigioso troféu, Batefuegos de Oro.

Referencio agora, alguns incidentes, sem que os mesmos, no entanto, atinjam a qualidade de desempenho deste avião.

* 17 Novembro de 1997 - Sécurité Civile CL-415 cai em Marselha, França , com uma fatalidade.
* 16 de Agosto de 2003 - Società Ricerche Esperienze Meteorologiche CL-415 cai em Esine, Itália , sem casos fatais.
* 08 de Março de 2004 - Sécurité Civile CL-415 cai em Lac de Sainte-Croix, França com duas mortes.
* 18 de Março de 2005 - Società Ricerche Esperienze Meteorologiche CL-415 cai em Forte dei Marmi, Itália com duas mortes.
* 1 de Agosto de 2005 - Sécurité Civile CL-415 cai em Calenzana com 2 mortes.
* 23 de Julho de 2007 - Hellenic Air Force CL-415 cai em Dilesos, Grécia , com duas mortes.
* 23 de Julho de 2007 - Società Ricerche Esperienze Meteorologiche CL-415 cai em Sant'Erasmo, Itália , com uma fatalidade.

Características gerais

* Tripulação: 2 pilotos
* Carga Útil : £ 6.400 (2.900 kg)
* Duração: 65 pés (19,82 m)
* Envergadura : 93 pés em 11 (28,6 m)
* Altura: 29 pés 3 (8,9 m)
* Área de asa: 1080 m² (100 m²)
* Peso vazio : £ 28.400 (12,880 kg)
* O peso máximo de combustível: £ 10.250 (4650 kg)
* O peso máximo de descolagem (de terra, carga descartável): £ 43.850 (19,890 kg)
* O peso máximo de descolagem (a partir, não descartável de carga terrestre): £ 41.000 (18,600 kg)
* O peso máximo de descolagem (de água): £ 37.850 (17,170 kg)
* Capacidade máxima (água ao retardador): £ 13.536 (6,140 kg)
* Peso máximo após escavar: £ 47.000 (21,360 kg)
* O peso máximo de pouso: £ 37.000 (16,780 kg)
* Motorização: 2 × Pratt & Whitney Canada PW123AF turbo hélice , potência de descolagem: 2.380 shp (1.775 quilowatts) cada um

Desempenho

* Velocidade máxima : 223 mph (359 km / h (194 kt)
* Velocidade de cruzeiro : 207 mph (333 km / h (180 kt)
* Velocidade de stol : 78 mph (126 km / h (68 kt)
* Faixa : 1.518 milhas (2.443 km)
* Tecto de voo : 14.700 ft (4.500 m)
* Taxa de subida : 1.600 m / min (8.1 m / s)
* Descolagem distância (ISA, terra): 2.750 ft (840 m)
* Descolagem distância (ISA, água): 2,670 ft (815 m)
* Distância de pouso (ISA, terra): 2,210 ft (675 m)
* Distância de pouso (ISA, água): 2,180 ft (665 m)
* Profundidade mínima da água: 6 pés (1,8 m)


terça-feira, 22 de março de 2011

Boeing realizou o 1º voo do B 747-8 Intercontinental

Executivos da Boeing comemoraram no domingo a realização do primeiro voo do 747-8 Intercontinental, o maior avião da história da companhia.

"Este é um grande dia para a equipe do 747-8 e para a Boeing como um todo. É uma honra ver uma aeronave tão bonita voando", escreveu em nota, distribuída á imprensa Elizabeth Lund, vice-presidente e directora geral do programa.

A aeronave realizou o seu primeiro voo de teste de Everett, Washington, a Seattle, no noroeste dos Estados Unidos. A duração foi de quatro horas e 25 minutos. O novo aparelho, uma versão ainda maior do que o 747 de dois andares, visa ao mercado de voos de longa distância, mas permite configurações para 400, 500 ou até mais passageiros.

O avião de passageiros mais comprido do mundo (76,4 m) descolou às 16h58 GMT em céu aberto, do aeroporto Paine Field de Everett, durante uma cerimónia com milhares de funcionários da Boeing e convidados, transmitida "ao vivo" pela Internet. Com quase dois anos de atraso, o Boeing 747-8 promete ser mais económico que o A380, para 555 passageiros.

O primeiro a 747-8 Intercontinental será entregue a um cliente não identificado, no último trimestre de 2011.

A Lufthansa, que encomendou 20 unidades, receberá os seus aparelhos no início de 2012, com dois anos de atraso sobre o prazo previsto.

No total, já foram encomendados 114 aviões 747-8, mas apenas 38 são destinados ao transporte de passageiros (Intercontinental).

sábado, 19 de março de 2011

Evacuação de 873 Pax no A380, em 90 Secs.

A Airbus testou, há já algum tempo, penso que em 2006, com êxito, a evacuação de 387 passageiros no A380 MSN7.

O teste fazia parte do processo de certificação da aeronave.

Durante o teste, todos os 873 passageiros foram capazes de sair do avião em 90 segundo, conforme estava previsto, utilizando apenas metade das saídas de emergência.

Um dos passageiros partiu uma perna e houve alguns ferimentos ligeiros.

Os principais requisitos para este teste de evacuação foram:

* 650 passageiros
* Luzes da cabine, apagadas
* Metade das saídas fechadas
* Passageiros divididos entre: 40% de mulheres, 35% das pessoas acima dos 50 anos
* Os passageiros não foram informados quais as saídas que seriam usadas
* Os passageiros deviam estar com os cintos de segurança, apertados

Este vídeo, mostra esse teste

O Glorioso Maluco, e a Sua Máquina Voadora

sexta-feira, 18 de março de 2011

Airbus acusada de homicídio involuntário no acidente da Air France

O fabricante europeia foi hoje acusado formalmente pela justiça francesa, na sequência da queda de um avião, em 2009, que vitimou 228 pessoas.

A Airbus foi hoje notificada da acusação, numa reunião com a juíza responsável pelo inquérito ao acidente, Sylvie Zimmerman, que também já convocou a Air France, companhia de aviação que operava o voo, para um encontro formal amanhã.

A fabricante europeia foi acusada de homicídio involuntário, noticia a AFP, depois de o departamento responsável pela investigação, o Bureau d’enquêtes et d’analyses (BEA), ter concluído que as sondas da Airbus que eram utilizadas no avião falharam, o que levou, inclusivamente, a Air France a substitui-las após a queda do A330, em Junho de 2009.

Após a notificação, o presidente executivo da empresa, Tom Enders, referiu que a Airbus “desaprova firmemente a decisão”, considerando-a “prematura” e acrescentando que a juíza não “precisou os factos que tem contra a Airbus”.

Amanhã, a companhia de aviação que operava o voo, que caiu quando ligava o Rio de Janeiro a Paris, também estará reunida com Sylvie Zimmerman, especulando-se que a Air France também poderá vir a ser considerada culpada pelo acidente, no qual morreram todos os 228 passageiros.

Por Raquel Almeida Correia, no Público

terça-feira, 15 de março de 2011

Racismo. Aconteceu na Tam.

Uma mulher branca, de aproximadamente 50 anos, chegou ao seu lugar na classe económica e viu que estava ao lado de um passageiro negro.

Visivelmente perturbada, chamou a assistente de bordo.

'Qual é o problema, minha senhora?', pergunta a assistente..
'Não está a vêr?' - respondeu a senhora - 'sentaram-me ao lado de um negro. Não posso ficar aqui. Têm que me dar outro lugar.
'Por favor, acalme-se' - pediu a assistente - 'infelizmente, todos os lugares estão ocupados. Porém, vou ver se conseguimos resolver o seu problema'.

A assistente afasta-se e volta alguns minutos depois.
'Minha Senhora, como eu disse, não há nenhum outro lugar livre na classe económica. Falei com o comandante e ele confirmou que não temos mais nenhum lugar na classe económica. Temos apenas um lugar na primeira classe'.

E antes que a passageira fizesse algum comentário, continuou:
'É politica da nossa companhia não permitir que um passageiro da classe económica possa fazer o upgrading para a primeira classe. Porém, tendo em vista as circunstâncias, o comandante pensa que seria escandaloso obrigar um passageiro a viajar ao lado de uma pessoa desagradável'.

E, dirigindo-se ao passageiro negro que assistia, divertido á conversa, a assistente prosseguiu:
'Portanto senhor, caso queira, por favor, pegue na sua bagagem de mão, pois temos para o senhor um lugar na primeira classe...'

Os passageiros próximos, que, estupefactos assistiam à cena, começaram a aplaudir, alguns de pé, invectivando a passageira que por sua vez, fez menção de desembarcar.

'O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons...'

"Enquanto a cor da pele for mais importante que o brilho dos olhos, ainda haverá guerra." (Bob Marley)

domingo, 13 de março de 2011

O "poiso" mais polémico da aviação mundial

Na noite de 6 de Junho de 1983, a tripulação de um cargueiro espanhol de pequeno porte, o Alraigo, apanhou um valente susto com um caça da Marinha Real Britânica, a tentar aterrar, mesmo em cima das suas cabeças, no exíguo espaço, atulhado de mercadorias, no convés do seu navio.

O piloto, quando verificou que estava a ficar sem combustível, e não tendo no seu horizonte, mais nenhum espaço para pousar o seu Sea Harrier ZA176, tentou uma manobra, no mínimo desesperada, para não ter que molhar os pés, e ficar sem o caça.

A cena durou apenas 30 segundos e entrou para a história como o primeiro "poiso" de um caça militar num navio civil, no mar. Poucos dias depois, o caça e o seu piloto, Tenente Ian Watson, chegariam a Tenerife aonde ficou retido pela tripulação durante vários dias.

Esta é a história do evento que quase desencadeou um conflito diplomático:

Eram 11 horas da segunda-feira e o cargueiro canário Alraigo navegava a cerca de 120 milhas náuticas a sudoeste do Porto (Portugal).

No céu, o piloto Ian Watson, voava na área com o seu FRS1/FA2-ZA176 Sea Harrier em vôo de reconhecimento.

O sub tenente Watson tinha descolado do porta-aviões HMS Illustrious e após vários minutos no ar, descobriu que o equipamento de navegação/rádio,não funcionava e não tinha maneira de encontrar o caminho de volta ao seu porta aviões. Depois de o tentar localizar visualmente verificou que o seu depósito de combustível estava no fim, muito próximo do vazio.

Watson, começou desesperadamente, a procuar um espaço, em pleno Atlântico, aonde pudesse poisar o seu avião. Foi então que avistou o cargueiro Alraigo, e não hesitou. Fez a manobra para poisar, na vertical, no único espaço acima das vagas oceânicas, em milhas ao redor.

Os marinheiros do Alraigo não podiam acreditar no que estavam a presenciar.
Watson após a manobra, deixando o cockpiet do seu caça, empoleirado entre contentores e carrinhas, inspeccionou a sua nave, e verificando que estava tudo em ordem apresentou-se aos estupfactos e ainda amedrontados marinheiros do Alraigo.

No entanto, o comandante do navio, nada dado aos "salameleques" britânicos, foi logo adiantando que tinha de cumprir os seus horários, e mandou todos os seus tripulantes ocuparem os respectivos lugares, e desempenharem as suas tarefas, que levariam o navio até Tenerife, aonde teria que entregar sua carga, a horas.

A notícia de que um dos seus caças estava "estacionado" num cargueiro civil Espanhol chegou ao HMS Illustrious que de imediato,começou a enviar sinais de radio com a intenção de desviar o 'Alraigo' para Portugal. Mas o capitão não estava disposto a ir em conversas. O seu destino era Tenarife, e era para lá que ia navegar.

Naturalmente, os media mundiais, tomaram conhecimento do incidente, e, sobretudo os tablóides britânicos, mais dados á exploração do sensacionalismo do caso, noticiaram que o caça e o piloto estariam prisioneiros de um qualquer capitão espanhol, a bordo de um cargueiro, o que á partida, geraria no mínimo um grave incidente diplomático, entre a Espanha e Inglaterra.

Três dias depois, ao meio-dia de quinta-feira 09 de Junho, o Alraigo entrou no porto de Tenerife, na presença de centenas de espectadores, com um caça no seu manifesto de carga, que era quase tão grande quanto o navio.

Nos dias seguintes, o governo britânico, desenvolveu esforços, no sentido de recuperar o seu caça, e prometeu recompensar a tripulação do Alraigo pelos riscos enfrentados .

Na verdade, e embora a manobra tenha considerada heróica, foi sobretudo uma séria ameaça á integridade, não só do navio, mas sobretudo para os homens de Alraigo.
O excesso de peso que o avião provocou ao poisar no convés poderia ter alterado os centros de gravidade e fazer o navio afundar, para não mencionar os danos que poderiam ter causado o calor e a turbulência dos motores.

O Governador Civil de Santa Cruz de Tenerife ordenou então, o desembarque do avião sob a ameaça de uso da força, caso houvesse alguém que se opusesse á operação.
Em 15 de Junho, às 15:10 horas, uma grua, elevou o avião, retirando-o do Alriago e colocou sobre o convés do porta aviões britânico, já ancorado, ao lado do cargueiro.

Segundo alguns meios de comunicação, como El Pais a tripulação iria receber cerca de 3,6 milhões de pesetas, como recompensa pelo resgate, uma bela recompensa para uma das experiências mais surreais que já se viveram no mar

Vejam o video da época.



Fonte: Daniel Tognon

sábado, 12 de março de 2011

O Glorioso Maluco, da Máquina Voadora

Um mecânico de carros chinês, construiu o seu próprio avião a partir de material reciclado, usando um motor de três motos.

Ding Shilu realizou, há cerca de duas semanas um voo-teste com a sua máquina voadora nos arredores de Shenyang, província de Liaoning.

A "aeronave" fabricada por Ding pesa cerca de 130 kg e custou aproximadamente 2.600 yuan , cerca de 420 €, de acordo com informações da imprensa local.

Vejam o glorioso maluco, coma sua máquina voadora.


quinta-feira, 10 de março de 2011

Evacuação num B 727, da World Airways de Da Nang para Saigon em 1975, debaixo de fogo

Isto aconteceu em 1975, no final da guerra do Vietnam.

O avião era um Boeing 727-100 da World Airways, enviado para a retirada de refugiados que estavam em Da Nang, até então uma cidade no Vietnam do Sul aonde havia uma base militar norte americana.

A bordo do avião, além da tripulação, estava o presidente da empresa, Edward J. Daly, dois jornalistas e um cameraman.

O embarque dos refugiados transcorria em ordem, com as tropas vietnamitas locais fazendo um cordão de isolamento em torno
do 727. Porém, rumores de que tropas inimigas se aproximavam rapidamente da base começaram a espalhar-se, e o que era um
embarque relativamente organizado tornou-se numa grande confusão, com a multidão em pânico, tentando embarcar. Percebendo que a situação estava a fugir ao controle, Daly ordenou ao Cmt. Kenneth Healy para iniciar imediatamente os procedimentos
para a descolagem.

O 727, por ter os seus três motores na cauda, e em posição elevada, não oferece maiores riscos às pessoas nas proximidades.

Assim que os motores foram accionados, a multidão entrou em pânico, receando ser deixada para trás. A confusão instalou-se, com soldados a empurrar mulheres e crianças que tentavam embarcar.

Soldados vietcong, inimigos, abriram fogo atingindo o avião e uma granada, RPG, atingiu a asa, causando estragos no trem de aterragem e parte dos flapes.

Ainda em velocidade reduzida, o avião dirigiu-se à pista de descolagem enquanto refugiados e soldados lutavam entre si para embarcar no avião pela escada traseira,sendo ajudados e puxados pelos que já estavam a bordo.

De acordo com o Cmt. Healy,o avião estaria com aproximadamente nove mil quilos acima do peso máximo de descolagem, o que é muito acima do permitido. Havia provavelmente 360 pessoas dentro de um avião configurado para 105 passageiros!

Na cabine, 268 pessoas, entre "passageiros" e tripulantes, espremiam-se enquanto cerca de 80 a 90 pessoas viajavam nos compartimentos de carga, cujas portas permaneceram abertas durante todo o voo! Testemunhas disseram que durante a descolagem houve, pessoas que foram caindo do avião. No desespero, houve vários indivíduos que tentaram viajar no compartimento dos trens de aterragem.

Não foi um voo fácil, pois vários problemas surgiram. A escada traseira do 727 permaneceu parcialmente estendida. Os trens de aterragem principais não foram recolhidos, uma vez que havia danos causados pela explosão da granada, e além disso,
recolhê-los, significaria um risco para àqueles que estavam espremidos no compartimento das rodas.

Dois terços do flape interno da asa esquerda também estavam danificados devido à granada, e o avião não pode ser pressurizado, sendo o voo realizado a 10.000 pés de altitude.

Apesar do tremendo aumento no consumo, a tripulação finalmente aterrou o 727 com segurança em Saigon,restando pouquíssimo combustível nos tanques.

Anos mais tarde o Cmt Healy assumiu a vice presidência da World Airways, elogiando o Boeing 727 pela sua excelente performance, confiabilidade e resistência.

Pudera, salvara-lhe a vida.

Fonte: Beto Carvalho

World Airways Evacuation From Da Nang To Saigon 1975 from PhuongBui on Vimeo.

segunda-feira, 7 de março de 2011

Aviação tem o ano mais seguro da sua história, em 2010

O sector aéreo mundial registou em 2010 o índice mais baixo de acidentes de sua história, informou em 23 de Fevereiro, a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), superando a marca de 2006, até então o ano mais seguro para a aviação.

Em 2010, o índice mundial de acidentes (medido em perdas de fuselagens por milhões de voos de aviões a jacto de fabricação ocidental) foi de 0,61 acidente a cada 1,6 milhão de voos, explicou o organismo em comunicado divulgado em Tóquio.

Em 2006, este índice foi de 0,65. Para a análise considerou-se todos os tipos de aviões. A pesquisa mostrou, entretanto que o número de acidentes fatais foi superior em 2010 ante 2009 (23 contra 18), com 786 vítimas contra 685, acrescentou a IATA. O órgão destacou que “a segurança tem sido sua prioridade”.

“Voar é seguro. Aliás, cada acidente aéreo é uma tragédia humana, que nos faz lembrar que nosso objectivo principal é alcançar o zero em acidentes, zero mortes”, afirmou o CEO da IATA, Giovanni Bisignani, cuja entidade representa 230 companhias aéreas, responsáveis por 93% dos voos mundiais.

As informações são da Dow Jones

sábado, 5 de março de 2011

As novas cores da United

A United Continental Holdings apresentou no dia 24 de Fevereiro o primeiro exemplar do maior avião de sua frota, o Boeing 747-400, de 374 lugares, pintado com as novas cores da United Airlines.

Agora, a empresa passa a ter pelo menos um avião de cada tipo de sua frota da unidade principal operando com a nova marca.

Até o momento, a United aplicou a sua nova pintura em 309 aviões, da unidade principal e das unidades regionais. Isso equivale a mais de 20% da frota.

O trabalho de aplicação das novas cores da companhia, será acelerado nos próximos meses e poderá ser visto também nas instalações nos aeroportos e na nova publicidade da empresa.

Imagens em alta resolução do Boeing 747-400 com a nova pintura podem ser obtidas no endereço UnitedContinentalHoldings.com > Media Center > Media Downloads > Photos > New Boeing 747 Livery.

Fonte: Revista fator

sexta-feira, 4 de março de 2011

TAP aumenta lucro na aviação para 62 milhões

A TAP anunciou esta quinta-feira que conseguiu lucros de 62,3 milhões de euros no negócio da aviação, em 2010, uma subida de 8,7% face ao ano passado, o que permitiu à empresa regressar a uma situação líquida positiva, o que já não acontecia desde 2008. Além disso, foi considerada a maior exportadora nacional.

Na conferência de imprensa de divulgação de resultados, o presidente da empresa, Fernando Pinto, explicou aos jornalistas que «o resultado consolidado ainda não existe».

«Os números apresentados referem-se ao negócio do transporte aéreo, já que o resultado consolidado do grupo só deverá ser conhecido quando todas as empresas tiverem concluído o fecho das suas contas», adiantou.

O presidente da TAP admitiu ainda que os resultados do grupo, no seu conjunto, poderão não atingir lucros, ou seja, a empresa deverá ser penalizada pelos resultados da Groundforce e da Manutenção e Engenharia Brasil.

«A Groundforce terá resultados negativos. A TAP M&E Brasil também deverá ter resultados negativos, quanto não sei. Mas será um resultado negativo importante. Por isso, provavelmente [a TAP SGPS no seu todo] não deverá atingir lucros», referiu.

Já o administrador financeiro da TAP, Michael Connoly, preferiu destacar as vendas da empresa (passagens, carga, manutenção) que ascenderam a 2.221 milhões de euros, graças ao «aumento das vendas no estrangeiro, nomeadamente nos mercados brasileiro (mais 55% do que em 2009) e angolano (mais 30%).

O mesmo responsável disse que a TAP transportou, ao longo do ano passado, 9.087 milhões de passageiros, mais 7,7% do que em 2009, com a taxa de ocupação dos aviões a subir de 68,5 para 74,5%.

Na carga, foram transportadas 94,2 mil toneladas em 2010, mais 24%, o que aumentou a receita de 85,5 milhões, de 2009, para 112 milhões em 2010, mais 31%.

Na Manutenção & Engenharia, os proveitos de prestação de serviços a terceiros passaram de 96,6 para 123,7 milhões no ano passado, mais 28%.

Fernando Pinto acrescentou, contudo, que estes resultados foram «atingidos apesar de múltiplos efeitos adversos», como a subida de 45% na factura com combustível, que atirou o custo total para 523 milhões de euros em 2010.

«As melhorias verificadas permitiram ainda absorver os prejuízos provocados pela nuvem de cinzas do vulcão islandês, pelos conflitos dos controladores aéreos franceses e espanhóis e pela quebra de tráfego provocada pela catástrofe na Madeira, rota da TAP com maior número de passageiros», assegurou.

Fonte: Agência Financeira

quarta-feira, 2 de março de 2011

TAP, poupa um milhão de euros por ano

A TAP acaba com 16 chefias e poupa um milhão de euros por ano, mas pesar destes cortes, ainda houve níveis hierárquicos onde a transportadora até aumentou o número de chefes
Reduziu o número de chefias intermédias 9,36% desde Setembro, passando estes cargos de 171 para 155. Considerando os salários mensais médios das chefias cortadas, a transportadora poderá conseguir uma redução de 1,08 milhões de euros na folha salarial, isto quando a "limpeza" das chefias ainda vai a meio - a ordem do governo são cortes de 20% neste tipo de hierarquias e esse tem sido o valor dos cortes da Carris ou dos CTT, por exemplo.

Assim, e de Setembro de 2010 até Fevereiro deste ano, a companhia aérea foi reduzindo gradualmente os cargos em cada nível organizacional, tendo acabado sobretudo com chefias de nível remuneratório mais baixo - até porque são aquelas onde estavam mais profissionais. Só na categoria "460" - a estrutura da TAP está organizada por números -, onde o ordenado médio mensal ronda os 3579 euros brutos, desapareceram dez chefes, havendo agora um total de 41 cargos ocupados, contra os anteriores 51. Mas os níveis hierárquicos superiores não passaram incólumes: no patamar "700", onde existiam 13 chefes a auferir em média 5248 euros mensais brutos, foram cortados quatro cargos. Na categoria mais elevada - a "1216" -, onde o ordenado mensal ronda 9 mil euros, manteve-se o único cargo existente, ao passo que nos dois patamares seguintes, a TAP acabou com uma chefia - os nove chefes que auferiam 8720 euros por mês passaram a oito, e os dez titulares de cargos de nível "920", com ordenados médios superiores a 6500 euros, passaram a nove.

Níveis com mais chefes Contudo, e se no geral a TAP conseguiu reduzir os cargos de chefia, em alguns níveis hierárquicos mais baixos estes até aumentaram de Setembro a Fevereiro deste ano.

Assim, e nos patamares "400" e "350", onde em Setembro se contavam um total de 33 chefias intermédias, agora contabilizam-se 40. Estes são os penúltimos níveis hierárquicos da TAP em termos de chefias intermédias, sendo que 22 destes 40 cargos ganham em média 3580 euros mensais brutos e os restantes 18 mais de 3300 euros. Sem estes aumentos de chefias, as poupanças salariais da TAP poderiam ascender já a quase 1,5 milhões de euros por ano.

"A efectivação da redução dos cargos de chefia, em resultado da orientação do governo, insere-se no âmbito de uma análise conjunta que está já em curso e que decorrerá com a máxima celeridade, salvaguardando os interesses e as exigências impreteríveis do adequado desenvolvimento da actividade da empresa", refere um documento do Ministério das Obras Públicas de segunda-feira passada, dando conta dos acertos que até ao momento já foram feitos nas chefias da transportadora aérea nacional.

A TAP, que deve ser privatizada este ano, foi uma das empresas do Estado que tiveram direito a um regime de excepção ao nível das medidas de austeridade, sendo-lhe apenas exigido um corte de 15% em parte dos seus custos. A empresa apresenta os resultados de 2010 amanhã.

Fonte : Filipe Paiva Cardoso, no I