terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

14 aviões da Lufthansa cheios de rosas

14 aviões carregados de rosas...todas para elas. O Dia dos Namorados a isso obrigou. Milhões de manifestações de afecto e milhares de milhões de euros facturados no negócio das rosas.

O mercado das rosas vale €30 mil milhões à escala mundial. Vendem-se milhões de flores durante o ano inteiro mas, no dia dos namorados, tudo fica diferente. Não é só o amor que andar no ar. Aviões de carga de todo o hemisfério norte vão abastecer-se de toneladas de rosas a sul.

Para se ter uma pequena ideia da dimensão desta loucura por flores, rosas em particular, basta referir que a companhia de aviação alemã Lufhtansa mobilizou 14 aviões da sua subsidiária Lufthansa Cargo para ir buscar 1200 toneladas de rosas ao Quénia, à Colômbia e ao Equador. Ao todo terão transportado para Frankfurt 34 milhões de rosas. Daí serão distribuídas por vários países europeus onde estarão menos de 24 horas depois de terem sido colhidas.

O negócio das rosas à escala mundial representa qualquer coisa como €30 mil milhões. Mas se lhe juntarmos os subsectores dos óleos, perfumes e outros produtos de beleza feitos com base naquela "matéria-prima", então estaremos a falar de um volume de vendas anual da ordem dos €133 mil milhões. Ainda falta juntar à equação todo o valor gerado pela componente logística do negócio e do transporte em particular.

Mas o mais curioso é que Portugal, segundo algumas fontes ligadas ao ramo da floricultura, poderia ter aqui uma oportunidade de ouro para se impor como grande produtor e fornecedor do mercado europeu. Até porque tem um clima propício e está perto de grandes mercados consumidores de flores. Já há dois ou três bons exemplos (no Alentejo, Ribatejo e zona saloia), "mas não chega. Podia ser muito mais", nota um dos produtores contactados pelo Expresso.

A questão da proximidade dos mercados consumidores está a ter um papel cada vez mais relevante, sobretudo por questões ambientais. De acordo com uma estimativa elaborada pela Flowerpetal.com, o envio de 100 milhões de rosas para os Estados Unidos da América no dia dos namorados gerou emissões de dióxido de carbono para a atmosfera da ordem 9000 toneladas métricas.

Mas a verdade é que o hemisfério sul continua imbatível neste domínio. A Colômbia é o principal exportador de rosas a nível mundial. Tem 11% do mercado global e factura €738 milhões com esta cultura, que dá trabalho a 110 mil pessoas.

Fonte: Expresso

Sem comentários:

Enviar um comentário