terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Voar...Como tudo começou, resumidamente.

Desde sempre o Homem sonhou voar como as aves, e são muitas as histórias destas tentativas.

As asas de Ícaro, as máquinas voadoras projectadas por Leonardo da Vinci, a Passarola de Frei Bartolomeu de Gusmão. Mas foi só no séc. XVIII que tal aconteceu.

Dois irmãos, os Montgolfier, depois de várias experiências com pequenos balões de papel insuflados com ar quente, fizeram um de maiores proporções, e em 15 de Outubro de 1783 elevaram um homem a 23,5 m de altura. Era a primeira vez que um ser humano subia nos ares, com o auxilio de uma máquina construída pelo Homem.Mais tarde o ar quente foi substituído por hidrogénio. Mas os balões eram extremamente frágeis e não permitiam o controle da máquina, pelo que, o sonho do Homem ficou adiado.

Várias máquinas voadoras foram construídas e experimentadas até 1890, quando Lilienthal, um estudioso da ciência do voo que construía pequenos planadores, começou a fazer voos curtos, comandando o planador com o deslocar do corpo. Sofreu um acidente mortal quando testava uma das suas máquinas. Tinha feito mais de 2000 pequenos voos.

Os irmãos Wright interessaram-se pelos estudos de Lilienthal, e levaram a cabo várias experiências com planadores. Como tinham uma oficina de bicicletas, montaram um motor de 20HP no planador, baptizado de Flyer e no dia 17 de Dezembro de 1903, em Kitty Hawk , fizeram o primeiro voo comandado da história, tendo percorrido 251m em 59s.

Louis Blériot, faz a primeira travessia do Canal da Mancha, no seu avião Nº XI, em Julho de 1909. Depois deste acontecimento, nada ficou como dantes. A aviação deu um enorme salto pois por todo o mundo, faziam-se experiências, na tentativa de fazerem com que o homem voasse como as aves.Louis Blériot, Santos Dumont, Voisin, fazem parte dessa casta única dos pioneiros da aviação.

A turbina a jacto começou a ser desenvolvida na Alemanha e na Inglaterra na década de 1930.
O britânico Frank Whittle patenteou um desenho de uma turbina a jacto em 1930, e desenvolveu uma turbina que podia ser usada para fins práticos no final da década. Já o alemão Hans von Ohain patenteou a sua versão da turbina a jacto em 1936, e começou a desenvolver uma máquina semelhante. Nenhum sabia do trabalho desenvolvido pelo outro, e por isso, ambos são creditados com a invenção da turbina a jacto.

No final da Segunda Guerra Mundial, a Alemanha usava os primeiros aviões de jatco e fabricava em série o Messerschmitt Me 262.

O He 178 foi o primeiro avião a jacto do mundo, pilotado por Erich Warsitz no início da manhã de 27 de Agosto de 1939, no aeródromo de Marienehe.

O Gloster E28/39, fez o primeiro voo a jacto com sucesso em 15 de Maio de 1941.

A Primeira Guerra Mundial, deu ao avião o impulso que faltava, pois durante este conflito foi provada a importância do avião, no reconhecimento aéreo, bombardeamento e combate ar-ar. Depois do conflito surgiram as primeiras carreiras aéreas, e o mundo ficou mais pequeno.

Na Segunda Guerra Mundial, 1939-1945, o avião teve um papel preponderante. O desenvolvimento tecnológico foi de tal maneira grande que as invenções apareceram em catadupa. Aviões a jacto, radar, comunicações, novos materiais de Esquadrilha de Spitfires. construção, etc.

Depois do conflito, com o Mundo partido em dois blocos políticos, e com o aparecimento da "Guerra Fria", a corrida a novos projectos atirou a aviação para um grau de desenvolvimento que permitiu levar duas décadas mais tarde o Homem à Lua.

Em 1968 a Boeing lança o maior avião de passageiros do mundo. Até á data transportou mais de 1.5 biliões de passageiros e percorreu mais de 36 biliões de Quilómetros.

O Concorde, protótipo voou pela primeira vez em 1967. Entrou ao serviço no dia 21 de Janeiro de 1976. Foi o único avião supersónico utilizado para transporte de passageiros.

Os irmãos Wright se hoje estivessem connosco, não abririam a boca de espanto com o estado actual da aviação, pois o que nós hoje fazemos, foi o mesmo que eles fizeram naquela manhã de 17 de Dezembro de 1903. VOAR!

Sem comentários:

Enviar um comentário