segunda-feira, 4 de maio de 2009

Constellation, o fascinío, da aviação civil na década de 50.

Mesmo não voando actualmente, O Constellation foi e sempre será, sinónimo de luxo e singularidade.

O Lockheed Super G Constellation "nasceu", destinado a fazer, os voos de longo curso. Em principio, o avião teria capacidade para 40 passageiros. Vários interessados surgiram naquela época, ou seja, todas as grandes companhias da aviação civil como a Pan American e a Trans Continental & Western Air,(TWA),as companhias aéreas que já brilhavam no mundo da aviação civil.

Antes mesmo do primeiro voo do protótipo, 80 unidades, foram encomendadas, sendo , 40 para a Pan American e mais 40 para a TWA, isto devido á excelência técnica, e ao arrojo das linhas aerodinâmicas,do Constellation, o que aumentou a confiança das empresas,levando-as a encomendar um avião, nunca testado anteriormente. As primeiras entregas foram á Pan American, que os colocou em operação, entre Nova York e as Bermudas.
Ao mesmo tempo, a TWA introduziu-os nos percursos, que ligavam os Estados Unidos á Europa.
Pouco tempo depois foi a BOAC – British Overseas Airways Corporation – quem deu inicio aos voos entre Londres e Nova York,com o luxuoso Constellation.

A Lockheed passou a desenvolver uma versão mais adequada aos parâmetros da aviação civil, substituindo o, L-049, pelo L-649, com capacidade para 81 passageiros, e no ano de 1947 ,foi a vez da Eastern Airlines, adquirir e começar a operar,em primeira mão, este modelo.

Logo em seguida, ocorreu o primeiro grande salto do transporte aéreo, e para atender maiores capacidades, a Lockheed incrementou um pouco mais o Constellation, adicionando mais 5 metros, ao comprimento do avião, aumentando, assim, a capacidade da aeronave de 81 para 109 passageiros.

Nasce, então o L-1049, ou , seja, o Super Constellation.
Em Outubro de 1950 voou o primeiro exemplar alterado, entrando em serviço 12 meses mais tarde na Eastern Airlines. Mais uma vez, esta companhia,foi a primeira a voar a "jóia da coroa", da aviação civil, da década de cinquenta.

Chegou-se no entanto, á conclusão de que o avião era sub-motorizado, e a Lockheed, optou pela instalação de novos motores turbo-comprimidos. O primeiro modelo com esses motores, voou em 17 de Fevereiro de 1953 e, seis meses mais tarde entrou em operação, com as cores da KLM.

Com o decorrer do tempo a concorrência entre as empresas construtoras de aviões, aumentava. E isso tornou-se evidente quando a TWA, solicitou o desenvolvimento de mais um modelo , á Lockheed, com características idealizadas, pelos funcionários desta companhia aérea.
Deste pedido, resultou o L-1649, conhecido como Startliner, para concorrer com o Douglas DC-7C da Pan American.

É natural, admitir, que para além de uma corrida para desenvolver a melhor aeronave, as companhias aéreas, procuravam sempre ter os melhores equipamentos.
Porém, o Startliner, entrou tardiamente no mercado, e enfrentou forte concorrência com os primeiros jactos comerciais, como o Boeing 707, e o DC-8.

Sem comentários:

Enviar um comentário